Make your own free website on Tripod.com

Monte Sinai

O Príncipe que Há de Vir!

By Sir Robert Anderson

http://www.cuttingedge.org

 

CAPÍTULO 5

A MENSAGEM DO ANJO


 

"Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. [1] Sabe e entende: desde a saída da ordem [2] para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. E ele firmará aliança [3] com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador." [Daniel 9:24-27]

Essa foi a mensagem confiada ao anjo em resposta à oração do profeta suplicando por misericórdias sobre Judá e Jerusalém.

A quem apelaremos para uma interpretação da predição? Não aos judeus, é claro, pois embora sejam os sujeitos da profecia, e de todos os homens os mais profundamente interessados em seu significado, por rejeitarem o cristianismo, estão inclinados a falsificarem não somente a história, mas suas próprias Escrituras. Não também ao teólogo que tem teorias proféticas a vindicar, e que, ao descobrir, talvez, alguma era de sete vezes setenta na história de Israel, conclui que solucionou o problema, ignorando o fato que a história estranha desse povo maravilhoso é marcada em todo seu curso por ciclos cronológicos de setenta e múltiplos de setenta. Mas qualquer homem de mente não preconceituosa que leia as palavras sem quaisquer comentários, exceto as próprias Escrituras e a história da época, prontamente admitirá que em certos pontos principais o significado delas é inequívoco.

1. Foi assim revelado que as bênçãos completas prometidas aos judeus deveriam ser adiadas até o fechamento de um período de tempo, descrito como "setenta semanas", após o que a cidade e o povo de Daniel [4] seriam estabelecidos nas bênçãos do tipo mais pleno possível.

2. Outro período composto de sete semanas mais sessenta e duas semanas é especificado com igual certeza.

3. Essa segunda era inicia com a emissão do edito para a reconstrução de Jerusalém - não do templo, mas da cidade; porque, para remover todas as dúvidas, "as ruas e o muro" [5] são enfaticamente mencionados; e um evento definido, descrito como o corte do Messias, marca o encerramento dela.

4. O início da semana requerida (em adição às sessenta e nove) para completar as setenta será sinalizado pela assinatura de uma aliança, ou tratado, por um personagem descrito como "o príncipe que há de vir"; essa aliança será violada na metade da semana pela supressão da religião dos judeus. [6]

5. Portanto, a era completa das setenta semanas e o período menor de sessenta e nove semanas, têm sua origem no mesmo ponto inicial. [7]

Assim, a primeira questão que surge é se a história registra qualquer evento que marca sem erro o início da era.

Certos autores, tanto cristãos quanto judeus, assumiram que as setenta semanas começaram no ano primeiro de Dario, a data da própria profecia; e assim caíram em um erro bem no início da investigação e chegaram a conclusões necessariamente errôneas. As palavras do anjo são inequívocas: "Desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas." Que Jerusalém foi na verdade reconstruída como uma cidade fortificada é absolutamente certo e inequívoco; a única questão é se a história registra o edito para a restauração da cidade.

Quando nos voltamos para o livro de Esdras, três decretos de reis persas chamam a atenção. Os versos de abertura falam daquele estranho edito pelo qual Ciro autorizou a construção do templo. Mas aquela "casa do SENHOR Deus de Israel" é especificada com uma tal definição exclusiva que não pode de modo algum satisfazer as palavras de Daniel. Realmente, a data desse decreto permite prova conclusiva que ele não foi o início das setenta semanas. Setenta anos foi a duração indicada para a servidão a Babilônia. [Jeremias 27:6-7; 29:10] Mas outro julgamento de setenta anos de "desolações" fui decretado durante o reinado de Zedequias, [8] por causa da contínua desobediência e rebelião. Como um intervalo de dezessete anos transcorreu entre a data da servidão e o início das "desolações", assim por dezessete anos o segundo período se sobrepôs ao primeiro. A servidão terminou com o decreto de Ciro. As desolações continuaram até o segundo ano de Dario Histapes. [9] Essa foi a era das desolações, e não a da servidão, que Daniel tinha em vista. [10]

O decreto de Ciro foi o cumprimento divino da promessa feita a todos do cativeiro no capítulo 29 de Jeremias e, de acordo com essa promessa, a mais plena liberdade foi concedida aos exilados para retornarem à Palestina. Mas até que a era das desolações tivesse completado seu curso, nem uma pedra seria colocada sobre outra no Monte Moriá. E isso explica o aparentemente inexplicável fato que o decreto para reconstruir o templo, emitido por Ciro no auge de seu poder, permaneceu em suspensão até sua morte; porque alguns samaritanos resistentes conseguiram estorvar a execução desse edito solene emitido por um déspota oriental, um edito para o qual uma sanção divina parecia confirmar a vontade inalterada de um rei medo-persa. [11]

Quando os anos das desolações expiraram, uma ordem divina foi promulgada para a construção do santuário e, em obediência a ela, sem esperarem pela permissão da capital, os judeus retornaram ao trabalho que por tanto tempo ficou interrompido. [Esdras 5:1,2,5] A onda de agitação política que tinha levado Dario ao trono da Pérsia, foi aumentada pelo fervor religioso contra a idolatria dos magos. [12] O momento, portanto, era auspicioso para os israelitas, cuja adoração a Jeová recebia a simpatia da fé dos zoroastristas; e quando as notícias chegaram ao palácio da ação aparentemente sediciosa em Jerusalém, Dario fez a busca nos arquivos babilônios de Ciro e, encontrando o decreto de seu predecessor, emitiu uma ordem para colocá-lo em efeito. [Esdras 6]

Esse é o segundo evento que permite um possível início para as setenta semanas. [13] Mas embora argumentos plausíveis possam ser apresentados para provar que, ou considerado como um edito independente, ou como um edito que deu efeito prático ao decreto de Ciro, o mandado de Dario foi o início do período profético, a resposta é clara e completa, que ele deixa de satisfazer às palavras do anjo. Por mais que seja dito, o fato permanece, que embora as "desolações" tenham sido cumpridas, nem a abrangência do edito real, nem a ação dos judeus na busca desse edito, foram além da construção do templo, enquanto que a profecia predisse um decreto para a construção da cidade; não das ruas somente, mas das fortificações de Jerusalém.

Cinco anos foram suficientes para a erigir a construção que serviria como um santuário para Judá durante os cinco séculos que se seguiram. [14] Mas, em notável contraste com o templo que foi erigido nos dias quando a magnificência de Salomão tornou o ouro tão comum em Jerusalém quanto o bronze, nenhum móvel caro adornava a segunda casa, até o sétimo ano de Artaxerxes Longimano, quando os judeus obtiveram uma carta do rei com a permissão para "ornar a casa do SENHOR" [Esdras 7:19,27] Essa carta também autorizou Esdras a retornar a Jerusalém com os judeus que quisessem acompanhá-lo e restaurar plenamente a adoração no templo e as ordenanças da religião. Mas esse decreto não faz qualquer referência à construção e poderia ter passado sem ser notado se não fosse pelo fato de tantos autores o terem fixado como o início do período da profecia. O templo já tinha sido construído muitos anos antes e a cidade ainda estava em ruinas treze anos depois. O livro de Esdras, portanto, será pesquisado em vão por qualquer menção de uma "ordem para restaurar e edificar a Jerusalém". Mas somente precisamos nos voltar para o livro seguinte no cânon das Escrituras para encontrarmos o registro que procuramos.

O livro de Neemias inicia relatando que enquanto ele estava em Susã, era o copeiro do rei, "uma honra de não pequena importância na Pérsia". [16] Certos de seus irmãos chegaram da Judéia e ele lhes perguntou pelos "judeus que escaparam, e que restaram do cativeiro, e acerca de Jerusalém." Os emigrantes disseram que todos estavam "em grande miséria e desprezo, o muro de Jerusalém fendido e as suas portas queimadas a fogo." [Neemias 1:2] O primeiro capítulo termina com o registro da súplica de Neemias ao Deus dos céus. O segundo capítulo narra como "no mês de nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes", ele estava executando as tarefas de seu cargo e, estando diante do rei, o aspecto de sua face revelava tristeza, o que chamou a atenção de Artaxerxes. "Viva o rei para sempre", respondeu Neemias, "Como não estaria triste o meu rosto, estando a cidade, o lugar dos sepulcros de meus pais, assolada, e tendo sido consumidas as suas portas a fogo?" "Que me pedes agora?", perguntou o rei. Então Neemias respondeu assim: "Se é do agrado do rei, e se o teu servo é aceito em tua presença, peço-te que me envies a Judá, à cidade dos sepulcros de meus pais, para que eu a reedifique." [Neemias 2:5] Artaxerxes atendeu à petição e emitiu as ordens necessárias para efetivá-la. Quatro meses mais tarde, mãos pressurosas estavam ocupadas trabalhando nas ruínas do muro de Jerusalém e, antes da Festa dos Tabernáculos, a cidade estava novamente cercada por um muro e portas. [Neemias 6:15]

Mas, tem sido dito, "O decreto do ano vigésimo de Artaxerxes é apenas uma expansão e renovação de seu primeiro decreto, como o decreto de Dario confirmou o de Ciro." [17] Se essa afirmação não tivesse a sanção de um grande nome, não mereceria nem mesmo uma observação rápida. Se fosse dito que o decreto de ano sétimo de Artaxerxes foi apenas um "expansão e renovação" dos editos de seus predecessores, a afirmação seria estritamente correta. Esse decreto foi principalmente uma autorização para "ornar a casa do SENHOR, que está em Jerusalém" [Esdras 7:27] estendendo os decretos pelos quais Ciro e Dario permitiram que os judeus reedificassem. O resultado seria criar um belo santuário no meio de uma cidade em ruínas. O movimento no sétimo ano de Artaxerxes foi principalmente um reavivamento religioso, [Esdras 7:10] sancionado e subsidiado pelo favor do rei; mas o evento desse vigésimo ano foi nada menos que a restauração da autonomia de Judá. A execução do trabalho que Ciro autorizou foi obstruída pela falsa acusação que os inimigos dos judeus levaram ao palácio, que o objetivo deles era reconstruir não apenas o templo, mas a cidade. "Uma cidade rebelde e danosa aos reis e províncias, e que nela houve rebelião em tempos antigos; por isso foi aquela cidade destruída." - eles disseram em verdade. "Nós, pois, fazemos notório ao rei que, se aquela cidade se reedificar, e os seus muros se restaurarem, sucederá que não terás porção alguma deste lado do rio." [18] Permitir a construção do templo era meramente conceder a um povo conquistado o direito de adorar de acordo com a lei do seu Deus, pois a religião dos judeus não conhece adoração longe dos montes de Sião. Foi um evento vastamente diferente quando aquele povo recebeu a permissão de erguer novamente as fortificações de sua cidade e, protegidos atrás daqueles muros, restaurarem, sob a liderança de Neemias, a antiga política de governo dos juízes. [19] Essa foi uma restauração da existência nacional de Judá e, portanto, é adequadamente escolhida como a data inicial do período profético das setentas semanas.

A dúvida que tem surgido sobre o ponto pode servir como uma ilustração do extraordinário viés que parece governar a interpretação das Escrituras, em conseqüência da qual o significado simples das palavras é criado para dar lugar ao remoto e menos provável. E para a mesma causa precisa ser atribuída a dúvida que alguns têm sugerido com relação à identidade do rei aqui citado como Artaxerxes Longimano. [20]

A questão permanece, se a data desse edito pode ser confirmada com exatidão. Aqui, um fato notável requer atenção. Na narrativa sagrada, a data do evento que marcou o início das setenta semanas é fixado somente por referência à era do reinado de um rei persa. Portanto, precisamos recorrer à história secular para nos certificarmos da data, e a história registra as datas a partir deste exato período. Heródoto, "o pai da história", foi um contemporâneo de Artaxerxes e visitou a corte persa. [21] Tucídides, "o príncipe dos historiadores" também foi seu contemporâneo. Nas grandes batalhas de Maratona e Salamina, a história da Pérsia tinha se tornado interligada com os eventos na Grécia, pelos quais sua cronologia pode ser confirmada e testada; e as principais eras cronológicas da antigüidade eram correntes naquele tempo. [22] Portanto, nenhum elemento está em falta para nos permitir fixar com exatidão e certeza a data do edito de Neemias.

Verdade é que na história, a menção do "ano vigésimo de Artaxerxes" deixaria em dúvida se a era do seu reinado foi reconhecida desde sua ascensão ao trono, ou a partir da morte de seu pai; [23] mas a narrativa de Neemias remove toda a ambigüidade que possa existir. O assassinato de Xerxes e o início do reinado de sete meses de usurpador Artabano foi em julho de 465; a ascensão de Artaxerxes foi em fevereiro de 464 AC; [24] Uma ou outra dessas datas, portanto, precisa ser o início do reinado de Artaxerxes. Mas, como Neemias menciona o mês de quislev (novembro) do ano, e o seguinte nisã (março) como sendo no mesmo ano do reinado do monarca, é óbvio que, como poderia ser esperado de um oficial da corte, ele considerou o tempo da ascensão de direito do rei, isto é, de julho de 465 AC. O vigésimo ano de Artaxerxes, portanto, começou em julho de 446 AC e a ordem para reconstruir Jerusalém foi dada no mês de nisã seguinte. O início do ciclo profético é assim definitivamente fixado como no mês nisã do calendário judaico, no ano 445 AC.

Notas de Rodapé do Capítulo 5

[1] "A expressão em nem um único caso se aplica a qualquer pessoa." - Tregelles, Daniel, pg 98. "Essas palavras são aplicadas ao Nazareno, embora essa expressão nunca seja aplicada a uma pessoa em toda a Bíblia, mas invariavelmente indica parte do templo, o santo dos santos." - Dr. Herman Adler, Sermons (Trubner, 1869)

[2] "A partir da emissão do decreto." - Tregelles, Daniel, pg 96.

[3] Não o concerto (como na A. V.: veja margem). Essa palavra é traduzida aliança quando coisas divinas estão em questão; e acordo quando, como aqui, um tratado ordinário está em vista (Confira Josué 9:6,7,11,15,16).

[4] Se as palavras dos versos 24 e 25 não convencem que Judá e Jerusalém são os sujeitos da profecia, o leitor tem apenas de compará-las com os versos precedentes, especialmente 2, 7, 12, 16,18 e 19.

[5] Literalmente "as circunvalações" ou "escarpas dos muros" - Tregelles, Daniel, pg 90.

[6] O personagem referido no verso 27 não é o Messias, mas o segundo príncipe citado no verso 26. A teoria que ganhou aceitação, que o Senhor fez um pacto de sete anos com os judeus no início de seu ministério, mereceria um lugar proeminente em uma enciclopédia de extravagâncias do pensamento religioso. Sabemos da velha aliança, que foi ab-rogada, e da nova aliança, que é para sempre; mas a extraordinária idéia de um pacto de sete anos entre Deus e os homens não tem uma sombra de fundamento nas Escrituras e é profundamente oposta ao seu espírito.

[7] "Todo o período de setenta semanas está dividido em três períodos sucessivos - sete, sessenta e dois, uma, e a última semana está dividida em duas metades. É evidente que como essas partes, sete, sessenta e duas, e uma, são iguais ao todo, elas deveriam ser setenta." - Pusey, Daniel, pg 170.

[8] Foi previsto no quarto ano de Jeoiaquim, isto é, o ano após o início da servidão (Jeremias 25:1,11).

[9] As Escrituras assim distinguem três eras diferentes, todas em parte concorrentes, que vieram a ser chamadas de "o cativeiro". Primeiro, a servidão; segundo, o cativeiro de Jeoiaquim; e terceiro, as desolações. "A servidão" começou no terceiro ano de Jeoiaquim, isto é, em 606 AC, ou antes de primeiro de nisã (abril) de 605 AC, e foi trazida ao fim por um decreto de Ciro setenta anos mais tarde. "O cativeiro" começou no oitavo ano de Nabucodonosor, de acordo com a era de seu reinado nas Escrituras, isto é, é 598 AC; e as desolações começaram em seu sétimo ano, em 589 AC, e terminaram no segundo ano de Dario Histaspes - novamente um período de setenta anos. Veja no Apêndice 1 as questões cronológicas aqui envolvidas.

[10] Daniel 9:2 é explícito neste ponto: "... eu, Daniel, entendi pelos livros que o número dos anos, de que falara o SENHOR ao profeta Jeremias, em que haviam de cumprir-se as desolações de Jerusalém, era de setenta anos."

[11] "A lei dos medos e dos persas, que não se pode revogar." [Daniel 6:12]. O cônego Rawlinson assume que o templo estava há quinze ou dezesseis anos em construção, antes de a obra ser paralizada pelo decreto de Artaxerxes, mencionado em Esdras 4. (Five Great Mon., vol 4, pg 389). Mas isso é inteiramente contrário às Escrituras. O alicerce do templo foi lançado no segundo ano de Ciro (Esdras 3:8-11), mas nenhum progresso foi feito até o segundo ano de Dario, quando o alicerce foi lançado novamente, por que nenhuma pedra da casa tinha ainda sido colocada. [Ageu 2:10,15,18]. A construção, uma vez iniciada, foi completada em cinco anos (Esdras 6:15). Precisa ser lembrado que o altar foi erguido e o sacrifício foi renovado imediatamente após o retorno dos exilados (Esdras 3:3,6).

[12] Five Great Mon., vol. 4, pg 405. Mas o cônego Rawlinson está totalmente enganado ao inferir que o zelo religioso conhecido de Dario foi o motivo que o levou à ação dos judeus. Veja Esdras 5.

[13] Essa é a época fixada por Bosanquet em Messiah the Prince.

[14] O templo foi iniciado no segundo e completado no sexto ano do reinado de Dario (Esdras 4:24; 6:15).

[15] Para uma descrição das ruínas do grande palácio em Susã, veja Travels and Research in Chaldea and Susiana, de Wm. Kenneth Loftus, cap. 28.

[16] Heródoto, 3, 34.

[17] Pusey, Daniel, pg 11. O Dr. Pusey acrescenta, "A pequena colônia que Esdras tomou com ele de 1.683 homens (com mulheres e crianças, cerca de 8.400 almas) foi uma adição considerável àqueles que tinham retornado anteriormente e envolveu uma reconstrução de Jerusalém. Essa reconstrução da cidade e a reorganização política, iniciada por Esdras, e continuada e aperfeiçoada por Neemias, corresponde com as palavras de Daniel. "Desde a saída da ordem para restaurar e edificar a Jerusalém" (pg 172) Esse argumento é o mais fraco imaginável, e realmente essa referência ao decreto do sétimo ano de Artaxerxes é uma grande mancha no livro do Dr. Pusey. Se uma imigração de 8.400 almas envolveu a reconstrução da cidade, e portanto, marcou o início das setenta semanas, o que se pode dizer da imigração de 49.697 almas setenta e oito anos antes? (Esdras 2:64,65). Isso não envolveu uma reconstrução? Mas, o Dr. Pusey diz, "O termo também corresponde", isto é, os 483 anos, até o tempo de Cristo. Aqui é obviamente a base real para ele fixar a data 457 AC, ou mais corretamente, 458, conforme dada por Prideaux, a quem infelizmente o Dr. Pusey seguiu neste ponto. Com mais ingenuidade o autor de The Connection argumenta que os anos não batem se qualquer outra data for atribuída e, portanto, o decreto do ano sétimo de Artaxerxes precisa estar correto! (Prid. Con, 1, 5, 458 AC.) Tal sistema de interpretação tem feito muito para desacreditar o estudo das profecias.

[18] Isto é, do Eufrates, Esdras 4:16.

[19] "Este último é o único decreto que encontramos registrado nas Escrituras que relata a restauração e construção da cidade. Precisa ser trazido à lembrança que a própria existência de um lugar como uma cidade dependia de tal decreto; porque antes, qualquer que retornasse da terra do cativeiro ia somente na condição de viajante; era o decreto que lhes dava uma existência política distinta e reconhecida." - Trigelles, Daniel, pg 90.

"Subitamente, entretanto, no ano vigésimo de Artaxerxes, Neemias, um homem de ascendência judaica, copeiro do rei, recebeu a incumbência de reconstruir a cidade com toda a presteza possível. A causa dessa mudança na política persa é para ser investigada, não tanto na influência pessoal do copeiro judeu, como na história exterior daquele tempo. O poder da Pérsia tinha recebido um golpe fatal na vitória obtida por Conon, o almirante ateniense, em Cnidos. O grande rei foi obrigado a se submeter a uma paz humilhante, em que uma das imposições era o abandono das cidades marítimas e a estipulação que o exército persa não deveria se aproximar a menos de três dias de jornada do mar. Jerusalém, estando aproximadamente a essa distância da costa, e tão perto da linha de comunicação com o Egito, tornou-se um posto da mais alta importãncia." - Milman, Hist. Jews, (terceira edição), 1, 435.

[20] Artaxerxes I, reinou por quarenta anos, de 465 e 425 AC. Ele é mencionado por Heródoto uma vez (6. 98), e por Tucídides freqüentemente. Ambos os autores foram seus contemporâneos. Existe razão de sobra para acreditar que ele foi o rei que enviou Esdras e Neemias a Jerusalém, e sancionou a restauração das fortificações" - Rawlinson, Herodotus, vol. 4, pg 217.

[21] O ano em que se diz que recitou seus escritos nos Jogos Olímpicos, foi o mesmo ano da missão de Neemias.

[22] A era das Olimpíadas começou em 776 AC; a era de Roma em 753 AC; e a era de Nabonassar, 747 AC.

[23] "Os sete meses de Artabano foram por alguns adicionados ao último ano de Xerxes, e por outros foram incluídos no reinado de Artaxerxes" - Clinton, Fasti Hellenici, vol. 2, pg 42.

[24] Já foi mostrado que a ascensão de Xerxes ao trono é determinada ao início de 485 AC. Seu vigésimo ano foi completado no início de 465, e sua morte teria acontecido no início do arcontado de Liseteu. Os sete meses de Artabano, completando os vinte e um ano, trariam a ascensão de Artaxerxes (após a remoção de Artabano) ao início de 464, no ano de Nabonassar 284, onde ele é colocado pelo cônego. Nota B. "Podemos colocar a morte de Xerxes no primeiro mês daquele arconato (isto é, de Lisiteus), julho de 465 AC e a sucessão de Artaxerxes no oitavo mês, em fevereiro de 464." - Clinton, Fasti Hellenici, vol. 2, pg 380.

[25] Veja no Apêndice 2, a Nota A, sobre a cronologia do reinado de Artaxerxes Longimano.

Anterior | Índice | Próximo

 


Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são um tempo em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do espírito de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que Ele é real e que o Fim dos Tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna em Seu Reino, como se já estivesse com Ele.  Se quiser saber como nascer de novo, CLIC AQUI AGORA!!!

No entanto, se a dificuldade está nas doutrinas (de homens) que a sua igreja prega, siga então o último conselho bíblico: Saia dela Povo Meu! Apoc 18:4.

...E, se Eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também. João 14:3

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam que Jesus está às portas!!!

Que Deus o abençoe.

Clic Aqui para enviar esta Matéria para um amigo!

 

HOME

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

..